1. O que são plásticos?

Plásticos são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares chamadas de polímeros, que por sua vez, são formadas por moléculas menores chamadas de monômeros.

Os plásticos são produzidos através de um processo químico chamado de Polimerização, que proporciona a união química de monômeros para formar polímeros. O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico.

1. Como a Plastivida vê o fato de ainda haver pessoas que jogam resíduos plásticos em cursos d´água? O que fazer nesse caso?

A Plastivida acredita que somente através da educação será possível reverter essa situação. A adoção da educação ambiental no currículo escolar ajudaria muito na solução desses problemas. Outro motivo normalmente apontado como causa dessas atitudes é a ausência de coleta de lixo em algumas regiões da cidade.

É preciso ressaltar também que os resíduos jogados nos cursos d´água não são somente plásticos, mas sim de todos os tipos e com todos os materiais. Normalmente os plásticos são os mais visíveis por serem leves e conterem ar em seu interior. Os demais materiais, mais pesados, acabam afundando nos rios e lagos.

A Plastivida reprova totalmente essa atitude, mas acredita que as mudanças serão sempre a médio e longo prazos. 

1. Se houvesse um bom sistema de coleta seletiva de plásticos, haveria mercado para esse material reciclado?

A Plastivida acredita que um aumento dos sistemas de coleta seletiva levará, automaticamente, a um aumento do mercado de material reciclado visto que os recicladores procuram se diferenciar uns dos outros para aumentar suas vendas. No entanto, o papel das empresas ligadas à cadeia produtiva é muito importante visto que elas podem auxiliar no desenvolvimento de novas aplicações, seja através de suas estruturas de pesquisa, seja através de seus contatos internacionais.

O contato da Plastivida com associações congêneres no mundo facilita muito a descoberta de produtos e aplicações novas para o plástico reciclado. Por se tratar de um problema comum a todos os países, muita pesquisa já foi feita sobre esse assunto podendo-se chegar rapidamente a algumas possibilidades adicionais.

Vale lembrar, porém, que a reciclagem mecânica, mundialmente, não conseguiu absorver mais do que 20% do volume de plásticos, portanto, é necessário associar essa reciclagem às diversas outras formas de tratamento constante no gerenciamento do lixo urbano. 

1. Qual a utilidade de tantas associações ligadas ao plástico?

A potencialização das ações através do trabalho em conjunto reunindo esforços nas atividades em comum e principalmente no que diz respeito ao Meio Ambiente, pois este assunto é interesse comum das mesmas bem como de toda a sociedade.

1. O que é a Plastivida?

A Plastivida é um instituto independente, representativo de toda a cadeia produtiva do setor, com foco na promoção sócio-ambiental dos plásticos. São sócios da entidade as centrais petroquímicas, as empresas produtoras de resinas termoplásticas e as indústrias transformadoras de plásticos e de aditivos.

Seus objetivos são os de melhorar continuamente a imagem dos plásticos, incentivar a coleta seletiva e a reciclagem, colaborar com as empresas da cadeia dos plásticos para adoção de posturas éticas e sócio-ambientais responsáveis e promover o crescimento sustentável do mercado dos plásticos. 

1. Quais os produtos de plástico que são recicláveis, e quais as maneiras de reciclá-los?

Todas as resinas termoplásticas são recicláveis. Portanto, todos os produtos fabricados a partir das mesmas são recicláveis. Existem três maneiras de reciclar os plásticos:

  • Reciclagem mecânica
  • Reciclagem energética
  • Reciclagem química 

1. Com relação ao ciclo de vida de um material, é possível dizer que, ambientalmente falando, o plástico é pior do que os materiais alternativos?

Não. O instrumento científico mais usado em todo o mundo para analisar o comportamento ambiental de um material é a “Análise do Ciclo de Vida” (LCA) ou “Ecobalanço”. Na Europa, há vários exemplos de estudos como esse, visando comparar produtos feitos com materiais plásticos com os mesmos produtos feitos a partir de materiais alternativos. Na grande maioria dos casos, os resultados mostraram que os plásticos estão entre os materiais com menor impacto ambiental, uma vez que consomem uma baixa quantidade de energia tanto para serem fabricados como para serem transformados, além de possuírem grande facilidade para a reciclagem.

Quando comparados com materiais alternativos em termos de carga poluidora de efluentes sólidos, líquidos e gasosos, os plásticos também são os que causam o menor impacto. Vale ressaltar que a análise do ciclo de vida de um produto é uma ferramenta científica tão consagrada que está prevista nas normas ISO 14000 para avaliação dos produtos, pois ela contempla, além da quantidade e tipo de energia utilizada, todos os efluentes gerados durante a vida do produto. 

1. O que é a biodegradação ou biodegradabilidade?

A biodegradação é uma mudança das propriedades de um material devido a alterações em sua estrutura química derivadas de ataques biológicos. Esse princípio implica na decomposição do material, o que impede o seu reaproveitamento para novas aplicações, ou seja, aproveitamento mecânico e/ou energético.

A biodegradação é um fenômeno complexo que depende da formulação do produto e que deve obedecer a uma série de etapas para que realmente ocorra. As experiências práticas sobre o assunto têm mostrado que, em condições reais de disposição de lixo nos aterros, ela não acontece com a eficiência e na velocidade esperadas.

Isso ocorre devido às dificuldades em se obterem as condições necessárias para a biodegradação, ou seja, valores corretos de presença de oxigênio, luz, pH do solo, temperatura, umidade e boas condições de se remexer os detritos, entre outros. 

1. Os plásticos bem como seus aditivos são prejudiciais à saúde?

Não. Os materiais plásticos são usados diariamente em milhares de aplicações pela sociedade. Muitas dessas aplicações estão em contato direto com o ser humano, seja através das embalagens que protegem os alimentos, seja nos brinquedos, na aviação, nos automóveis, seja na área médica, caso das bolsas de sangue, catéteres intravenosos, mangueiras cirúrgicas etc.

Nessas aplicações, os materiais plásticos, bem como seus aditivos, são estritamente regulamentados pelos órgãos oficiais de controle.

A segurança no uso dos aditivos está sempre respaldada pelas informações e pesquisas científicas que se encontram em constante desenvolvimento em todo o mundo. Os aditivos usados nos plásticos fabricados no Brasil são os mesmos usados em todo o mundo.